• Karla Kratschmer

Quem não age também fere – a si mesmo e ao outro


A incerteza da consequência de uma escolha parece cada vez mais perturbadora.

“Qual será o resultado disso?” “Quanto tempo levará?” “E se eu escolher errado?” “E se eu fracassar?”.

E muitas vezes esses questionamentos aparecem na análise de forma bastante direta: “estou fazendo certo, ou errado?”; e diante deles costumo dizer que não existe UM certo ou UM errado; que o certo ou o errado, o bem ou o mal, são relativos a cada pessoa.

Contardo Calligaris, expressa isso muito bem dizendo que “a preocupação moral não é estrangeira ao trabalho psicoterápico, mas, para o terapeuta, o bem e o mal de uma vida não se decidem a partir de princípios preestabelecidos; eles se decidem na complexidade da própria vida da qual se trata.

Um mesmo sintoma pode ser a razão do sucesso ou do fracasso de uma existência. Se você sofre de insônia, porque, por exemplo, sua história o condena a ser para sempre a sentinela da casa, pode acontecer que você se torne o responsável noturno mais confiável de uma central nuclear ou, ao contrário, que você atravesse a vida de café em café, numa luta extenuante contra o sono que, obviamente, sobra para o dia. Em suma, a insônia não é nem ruim nem boa”. [1].


Penso que – como dizem – assim como o que diferencia o remédio do veneno é a dosagem, também é com qualquer sentimento e sintoma. Tudo pode vir a se tornar patológico se não for bem dosado e tratado.

O médico canadense Gabor Maté em entrevista recente para a BBC fala sobre os vícios terem origem em traumas e que “não estamos atacando as causas do problema” que “o que se deve perguntar sobre dependência química [e qualquer tipo de dependência, penso eu] não é ‘qual é o vício?’ mas sim 'qual é a dor?''". [3].


O ser humano tem como defesa natural a tentativa de evitar e até mesmo anular as angústias, angústias essas que são inerentes a vida; e é aí que muitas vezes o vício encontra espaço para se acomodar.

Assim também é com a insegurança na tomada de decisões; o medo diante do próximo passo pode ser benéfico, mas também paralisar.

Na clínica é muito comum repararmos nessa “paralisia” onde pelo medo do passado se repetir ou pelo medo do resultado futuro o presente é paralisado. Tomando emprestado novamente as palavras de Calligaris “parece que saímos de uma cultura em que o passado nos impedia de inventar o presente para entrar numa cultura em que o futuro nos impede de saborear o que estamos vivendo.

É frequente, por exemplo, que alguém recuse um namoro porque “não sei no que vai dar”. O prazer que uma relação proporciona é preterido porque duvidamos de seu futuro.”. [1].


Muitas vezes a indecisão também esbarra num conflito entre aquilo que a pessoa sente que será o melhor para ela e aquilo que parece ser o correto a fazer. Nilton Bonder dirá algo bastante interessante sobre nossas buscas parecerem tão assustadoras; ele dirá que elas “permitem vislumbrar o novo “bom” possível, mas não necessariamente o novo “correto” que o acompanhará” e que “a ausência desse novo “correto” ameaça profundamente o ser humano, e de forma inconsciente”. [2].


Costumamos nos incomodar com os clichês, mas já reparou como muitas vezes soam úteis? Pois bem, aqui gostaria de trazer um deles que é: escolher não escolher também é escolha; e novamente citando Calligaris: “Das várias formas possíveis de infelicidade, a que me parece mais aflitiva não é necessariamente a que mais dói. Muito mais trágico me parece o destino de quem atravessa a vida sem se molhar, como se os eventos (felizes ou nefastos) escorressem sobre a pele como água sobre as plumas de um pato.”. [1].


E como é que você quer passar pela sua vida? Porque no final das contas ela acontecerá, e os eventos felizes ou nefastos também; esteja você em movimento ou não.


Karla Kratschmer | Psicóloga&Psicanalista | CRP 06/121815 Copyright © Karla Kratschmer. Todos os direitos reservados.


Fonte das citações:

[1]: CALLIGARIS, C. Cartas a um jovem terapeuta.

[2]: BONDER, N. A alma imoral.

[3]: MATÉ, G. Vícios têm origem em traumas e não estamos atacando as causas do problema.

TIPO DE ATENDIMENTO:

Atendimento para pessoas a partir dos dezoito anos de idade; na modalidade  presencial e on-line.

HORÁRIO DE ATENDIMENTO:

De segunda à sexta  das 8h às 18:30.

Rua Verbo Divino, 2001

Chácara Santo Antônio

São Paulo - SP - 04719-002

ENDEREÇO:

  • YouTube Karla Kratschmer
  • Instagram Karla Kratschmer
  • Facebook Karla Kratschmer
  • LinkedIn Karla Kratschmer
  • Twitter Karla Kratschmer
  • Pinterest Karla Kratschmer
  • whatsapp-logo

FORMAS DE PAGAMENTO:

Crédito e Débito para o atendimento presencial e transferência/depósito para o atendimento on-line.

BANDEIRAS ACEITAS:

QR code WhatsApp Karla Kratschmer

Copyright © Karla Kratschmer. Todos os direitos reservados.

Site criado e otimizado por Karla Kratschmer.

Última atualização e otimização: julho de 2020.